nov 12

Após constatar que somente a consulta Criminal dos Delegados de Policia estava no sistema reservado da Policia Civil,

a FEIPOL – SUDESTE oficiou ao Delegado Geral de Policia Dr. Mauricio Souza Blazeck, solicitando que seja dispensado o mesmo tratamento a todas as carreiras, uma vez que pertencemos a mesma instituição e corremos os mesmo riscos.

O Delegado Geral de Policia atendeu a solicitação e estará enviando mensalmente ao DIPOL, listagem com dados de Policiais Civis de todas as carreiras, para inclusão no sistema reservado.

 

Atenciosamente

APARECIDO LIMA DE CARVALHO (KIKO)

PRESIDENTE DA FEIPOL SUDESTE

 

feipol_ofi

nov 07

DESCONSIDERAÇÃO DO GOVERNO COM AS CARREIRAS DE INVESTIGADOR E ESCRIVÃO DE POLÍCIA

Todos os dias, recebemos reclamações de Escrivães de Polícia que estão sobrecarregados de inquéritos Policiais, chegando a ter até 1000 (mil) Inquéritos Policiais em Cartório, isto é trabalham por quatro cinco policiais, e Investigadores morrendo nas ruas no exercício da função, trabalhando a exaustão com centenas de Boletins criminais, quando na verdade tentam suprir o déficit de policiais acumulados ao longo de anos pelo governo de São Paulo, também se desdobrando por vários policiais, cumprindo escalas sobrecarregadas sem as condições de trabalho adequadas para o exercício da função.

ANUNCIO NO PORTAL DO GOVERNO

Pois bem, lutamos, fizemos greve, reuniões, manifestações, lutamos para o reconhecimento do N.U.  em termos salariais e depois de cinco anos de luta, o governo anuncia em seu portal Oficial reajustes de 8,5 % a 18 % para 2013 e de 15% a 25,7 % para 2014, encheu-se de esperança duas carreiras que diziam não é tudo que queremos, mas finalmente será reconhecido o nível Universitário para as carreiras de  Investigador e Escrivão de Polícia previsto na Lei Complementar 1067/2008.

Quando o governo enviou o PLC 44/13 para ALESP, parecia ser apenas um erro de matéria, uma vez que eram muito claros os índices anunciados, foi quando detectamos o “erro”, fomos na ALESP, falamos com o líder do governo, Deputado Barros Munhoz, falamos no colégio de lideres, fomos recebidos na Secretária de Planejamento, esclarecemos todos os entendimentos das entidades de classes, fizemos contas, colocamos nosso posicionamento sobre os índices anunciados e, o governo não admitiu o erro alegando que foi tomado com base o salário de  executivo Público, mas admitiu rever o projeto.

DESCONSIDERAÇÃO

      Na verdade, nos sentimos enganados, o tão esperado reconhecimento salarial, para as carreiras de Escrivão e Investigador de Polícia em razão do nível universitário, a duras penas conquistado, não passou de uma pífia “reclassificação vencimentos” que deixará muito a desejar.

De nenhuma forma as tabelas elaboradas pela Secretaria do Planejamento fazem justiça aos integrantes das duas laboriosas classes, essenciais ao funcionamento da polícia judiciária no Estado de São Paulo.

       Nossos ingentes esforços em busca de valores condizentes com a importância e as condições em que trabalham esses servidores que, de modo algum, poderiam ter sido comparados, como foram, a Executivos Públicos, por mais respeito que tenhamos pelos integrantes dessa categoria.

Deixamos claro, em todos os momentos, que o desgaste disso será do Governo, que não teve a sensibilidade e a chamada “vontade política”, alegando uma série de “razões” para justificar os valores tão ínfimos concedidos.

É lamentável tudo isto, porque o governo anunciou uma coisa e fez outra, ficando a sensação que mais uma vez fomos enganados.

A nossa posição é que o governo perde mais uma vez uma grande oportunidade de resolver de uma vez por todas o reconhecimento do Nível Universitário, para as carreiras de Investigador e Escrivão de Polícia, porque ninguém por mais otimista que seja, vai considerar R$ 10,00 (Dez) reais, para 2013- e R$ 140,60 (Cento e quarenta reais e sessenta centavos), para 2014 de diferença do Nível Médio, para o nível superior, como “reconhecimento” de Nível Universitário, para estas duas carreiras.

O governo de São Paulo, ao dar reconhecimento ínfimo do N.U. a estas duas laboriosas carreiras, erra duas vezes, uma por ter anunciado uma coisa e fez outra e a outra é de perder a oportunidade de motivar estas duas carreiras a produzir mais para a sociedade, em momento tão crítico que atravessa a segurança Pública de nosso Estado.

Na segunda-feira, 4/11, o Sr. Delegado Geral nos chamou à DGP, juntamente com os presidentes da Associação dos Escrivães e Investigadores e nos mostrou as novas tabelas, que seriam definitivas. A decepção deste presidente foi total: inverteram a lógica, mas na essência ficou quase a mesma coisa. Os valores são muito abaixo do esperado, quase não distanciando dos valores atribuídos às carreiras de nível médio. Ontem, dia 5/11, estivemos na Sec. do Planejamento e nada foi alterado.

Junto a este seguem as tabelas, na seguinte ordem: 1) com os valores atuais; 2) com os 7% lineares; 3) para o ano de 2013 e 4) para 2014.

Comparem, avaliem e vejam se não se trata de uma enganação, uma valorização de faz-de-conta.

O pior de tudo é que nada mais temos a fazer a não ser lamentar essa tremenda decepção que o governo nos causou.

Na ALESP, onde o Governo tem maioria, pouco ou nada poderá ser feito.

É lamentável.

                                          APARECIDO LIMA DE CARVALHO

Presidente da FEIPOL – SE e do Sindicato dos Policiais Civis de Campinas e Região

 

Tabelas Investigadores e Escrivães

out 25

Pela primeira vez, o governo de São Paulo aceitou rever um projeto de lei da área de Segurança Publica, graças aos encaminhamentos do Líder do Governo, Deputado BARROS MUNHOZ ao governo de São Paulo, informando divergências entre o anúncio do Governo e o PLC 44/13 que foram levadas ao Deputado pelo presidente da FEIPOL SUDESTE Aparecido Lima de Carvalho (Kiko).

 

REUNIÃO NO PALÁCIO DOS BANDEIRANTES

A reunião aconteceu no Palácio dos Bandeirantes, na data de ontem 24/10/2013 e foi intermediada pelo Delegado Geral Dr. Mauricio de Souza Blazeck que de forma bastante competente e objetiva, se colocou como interlocutor das entidades de Classe quando necessário.

O secretario de Governo Dr. Julio Francisco Semeghini e sua equipe técnica, Dra. Cibele e o Secretario adjunto da casa civil,  Dr. Mendes Junior sustentaram que os valores concedidos para o N.U. no PLC 44/13 foram calculados em cima do salário do executivo público que é de 3.389,00 (três mil trezentos e oitenta e nove reais), e não no salário base de Investigador e Escrivão de policia e ai chegaram aos valores que constam no projeto.

 

O Presidente da FEIPOL SUDESTE (Kiko) contrapôs este argumento dizendo que a lógica do governo na aplicação deste índice esta equivocada visto que não somos executivos e sim policiais civis e nosso risco de vida é permanente, portanto se for para comparar nosso nível universitário que seja comparado, com os das carreiras de nível universitária da pasta de segurança pública.

Também foi colocado na reunião, que o salário de nível universitário para o Detran é de 4.500,00 (quatro mil e quinhentos reais).

A FEIPOL SUDESTE e os Sindicatos Filiados sustentaram, que o governo não pode misturar á aplicação do índice de 7%, previsto no PLC 33/13 com o nível universitário, porque se assim o fizer, estará retirando a correção do índice inflacionário dos Investigadores e Escrivães de Policia.

Também foi amplamente esclarecido que amargarmos um salário menor que ao nível médio a mais de 20 anos, e portanto seria o correto primeiramente igualar o salário de nível superior ao nível médio, para depois aplicar os índices do nível universitário que seriam na ordem de 8,5 a 18 % em 2013 e de 15 a 25,7 % em 2014 sobre o salário base de Investigador e Escrivão de Policia, independente dos 7%  previsto do PLC 33/13.

Finalizando o Secretario Dr. Julio Semeghini, comprometeu- se com as entidades de classe de trazer o projeto de volta para a Secretaria de Planejamento, para ser reavaliado e convocar nova reunião em uma semana ou até dez dias.

POSICIONAMENTO DA FEIPOL SUDESTE

Entendemos que a reunião foi altamente positiva, tanto no ponto de vista de esclarecimentos entre governo e entidades de classe, bem como no posicionamento do governo em trazer de volta o PLC 44/13 para ser reavaliado, já sabendo o posicionamento das entidades de classe. Também foi bastante positiva a presença e a intermediação do Delegado Geral de Policia Dr. Mauricio de Souza Blazeck que de forma competente e objetiva transmitiu ao secretario e sua equipe técnica, de forma institucional as expectativas das entidades de classe no que diz respeito ao N.U para as carreiras de Investigador e Escrivão de Policia.

Participaram da Reunião:

01 – Dr. Maurício de Souza Blazeck – Delegado Geral de Polícia;

Líderes das Entidades

02 – FEIPOL SUDESTE – Kiko – Presidente FEIPOL

Sindicatos Filiados a FEIPOL

03- Sinpol Ribeirão Preto – Eumauri

04- Sinpol Sorocaba – Cidinha

05- Sinpolsan – Santos – Valter

06- Sinpol Presidente Prudente – Fabio

07- IPA São Paulo- Jarim

08- Jundiaí – Cesar Vanderlei

Outras Entidades de Classe

09- SIPESP – manuel

10- Associação dos Funcionários – Ilkias

11- Piracicaba – Jeferson

12- Franca- Mauro Cesar

13- Ituverava – Silvana

14 – Horácio – AEPESP;

15 – Bailoni – AIPESP.

Autoridades do Governo:

16 -  Dr. Mendes – Secretário Chefe da Casa Civil.

17 -  Dr. Semeghini – Secretário de Planejamento;

18 -  Dra. Cibele – Secretária Adjunta;

 

 

Atenciosamente

Aparecido Lima de Carvalho (KIKO)

Presidente da FEIPOL SUDESTE

 

id18-2

id18

048

018

014

010

008

out 24

Em audiência no dia 12/10/2013, com o líder do governo Deputado Barros Munhoz, o presidente da Feipol Sudeste provou ao deputado que houve erro no PLC 44/13.

A Feipol convocou investigadores e escrivães de todo o estado que compareceram em massa na Alesp no Colégio de Líderes no dia 22/10/2013, onde o presidente da Alesp, Samuel Moreira, cedeu espaço para que o presidente da Feipol, Kiko, sustentasse as divergências entre os índices anunciados pelo governo e o PLC 44/13 – 8,5% a 15% este ano e 15% a 25,7% em 2014 – índices que não constam no PLC 44/13.

Os líderes entenderam que, de fato, existe o erro, e o deputado Barros Munhoz comunicou o governo sobre o erro no projeto, e graças á mobilização dos investigadores e escrivães de polícia e dos sindicatos filiados á Feipol Sudeste (Campinas, Ribeirão Preto, Santos, Marília, Sorocaba, Presidente Prudente e Mogi das Cruzes), arvorou-se a possibilidade de conseguirmos um aditivo ao PLC 44/13 e corrigir esta enorme injustiça que consta no projeto de nível universitário para investigadores e escrivães de polícia.

Atenciosamente

Aparecido Lima de Carvalho (KIKO)
Presidente da FEIPOL SUDESTE

out 23

O Presidente da FEIPOL SUDESTE Aparecido Lima de Carvalho (KIKO) esteve reunido na data de ontem 22/10/2013 com os lideres de partido na ALESP onde sustentou perante os lideres a necessidade urgente de um aditivo ao PLC 44/13 para corrigir a distorção dos índices anunciados no portal do Governo que não são os mesmos contidos no PLC 44/13.

Também informo a todos que tomei conhecimento dos encaminhamentos pelo Líder do Governo Deputado Barros Munhoz para a casa Civil, Secretaria de Planejamento, Secretaria de Gestão Publica e Secretaria de Segurança Publica sobre divergências  contidas no anuncio Oficial do Governo e o PLC 44/13.

 

Atenciosamente

Aparecido Lima de Carvalho (KIKO)

Presidente da FEIPOL SUDESTE

 

alesp 004

DSCF1004

DSCF1012

DSCF1016

out 22

O Presidente da FEIPOL Sudeste Aparecido Lima de Carvalho esteve reunido com o Delegado Geral Dr. Luiz Mauricio Souza Blazeck, na ultima sexta – feira 18/10/2013 onde levou a insatisfação de todos os Investigadores e Escrivães de policia pelo PLC 44/13.

O Delegado geral confirmou ao presidente da FEIPOL que houve erro de matéria no projeto, visto que a exposição de motivos e totalmente diferente do que foi apresentado no resultado final do projeto.

Informou também que esses valores contidos no projeto não traduzem a vontade do governador e por isso devemos sim, recorrer a Assembleia Legislativa para mudar o texto do PLC 44/13.

Por tudo que já conversamos tanto com o Presidente da Assembleia Deputado Samuel Moreira e com o líder do governo Deputado Barros Munhoz, acreditando que estamos no caminho certo para fazer cumprir o anuncio oficial do Governador Geraldo Alckmin, que foi totalmente distorcido dentro do PLC 44/13.

 

Atenciosamente
Aparecido Lima de Carvalho.
Presidente FEIPOL SUDESTE e SINPOL CAMPINAS

out 18

A FEIPOL SUDESTE, convoca todos os Investigadores e Escrivães de Polícia a comparecerem na ALESP no andar térreo onde ocorrerá reunião do colégio de líderes, dia 22/10/2013 às 14h00, para repudiar o PLC 44/13.

A FEIPOL SUDESTE estará disponibilizando transporte (ônibus) para os Policiais Civis, que sairá da frente do SINPOL CAMPINAS às 11h30 e solicitamos confirmação.

Att,
Aparecido Lima de Carvalho (Kiko)
Presidente

out 17
44-13_01
44-13_02
Att,
Aparecido Lima de Carvalho (Kiko)
Presidente FEIPOL SUDESTE e SINPOL CAMPINAS
Rua: Marechal Deodoro, 73 – Botafogo – Campinas/SP
Fone: (19) 3237-0621
out 16

pag01

pag02

pag03

Aparecido Lima de Carvalho (Kiko)
Presidente da Feipol Sudeste
out 14

Analisando, ainda que superficialmente, os PLCs nº 43 (Delegados) e 44 (Escrivães e Investigadores), o sentimento que tenho é o de que, mais uma vez, fomos enganados. Os projetos são iníquos, na forma e no conteúdo, seja porque os valores são ínfimos, seja pela demora na sua aplicabilidade.

De que valeram, então, os esforços que despendemos desde a edição da LC 1.151, de 25/10/2011, quando por conta do disposto em seu artigo 26, seriam estabelecidas melhorias em decorrência do nível universitário. Formou-se um Grupo de Trabalho, que de 180 dias passou para dois anos, com um resultado pífio desses.É revoltante!

Chega a ser um insulto à nossa paciência, boa-fé e disciplina. Quanto esforço, por tão pouco: quantas reuniões, quantas idas à Assembleia Legislativa, às Secretarias de Gestão, Casa Civil e congêneres.

Esperávamos mais sensibilidade da parte do Sr. Governador, já que não se pode querer o mesmo de alguns dos tecnocratas que sequer atentaram para a escalada da violência que toma conta de São Paulo e, por consequência, de todo o país. Ou será que, para eles uma coisa não tem a ver com a outra? Ou será que eles acham que R$ 118,12, que é quanto um Escrivão/Investigador de 3ª classe receberá, serve de estímulo para que ele se dedique mais do já vem se dedicando? E assim para todos os demais que terão os ínfimos 7%.

Por esse ângulo, quero, de pronto, ressaltar meu irrestrito reconhecimento ao esforço demandando da Delegacia Geral de Polícia, na pessoa do Dr. Luiz Maurício Souza Blazeck, assim como da Secretaria da Segurança Pública, pelo seu titular, Dr. Fernando Grella Vieira. Sabemos o quanto os dois se empenharam. Mas a chamada “vontade política” não está ao alcance deles e sim das áreas ditas “técnicas” (melhor dizer logo, políticas): Gestão, Planejamento, Fazenda e Casa Civil.

Esses sim, são os culpados, pois, conhecendo as suscetibilidades que envolvem a questão, se mostraram frios e calculistas, sem se importar com o alcance social da coisa. Para eles, certamente, pesaram os números de quantos somos e o dito impacto na Folha. Certamente disseram ao chefe maior que “o governo tem outras prioridades”. E tem, todos sabemos: saúde, educação, infraestrutura e de transportes, mas não são essas que preocupam tanto assim, já que os servidores dessas áreas são, também, pessimamente remunerados. Assim como os nossos colegas das carreiras não abrangidas, que terão que se contentar com os míseros 7%, que na realidade não chega a tanto.

Apenas na proporção, menos mal para os Srs. Delegados, mas, ainda assim, não foi reconhecida como deveria a carreira jurídica. Criaram até outro nome para denominar a função. É ou não é coisa de tecnocrata insensível e/ou mal-intencionado?

 

Atenciosamente

(Redação) Jarim Lopes Roseira
Presidente da IPA e Diretor de Organização da FEIPOL SUDESTE

Aparecido Lima de Carvalho
Presidente da FEIPOL SUDESTE